Televisão

Edílson Capetinha conta episódio de racismo que sofreu na infância: "Não esqueço disso"

Comentarista de Os Donos da Bola contou o que aconteceu

Publicado em 10/06/2020 às 14:16


 Edílson Capetinha conta episódio de racismo que sofreu na infância:
Edílson em Os Donos da Bola - Foto: Reprodução/Band

Redação NT
i
X

Redação NT

O NaTelinha é um site pioneiro em entretenimento e cultura de televisão no Brasil, sendo referência por sua ética e credibilidade, trazendo sempre a verdade, como deve ser. Twitter: @sitenatelinha / Instagram: @sitenatelinha / facebook.com/sitenatelinha

Publicado em 10/06/2020 às 14:16

O comentarista Edílson Capetinha contou em Os Donos da Bola, nesta quarta-feira (10), que foi vítima de racismo na infância. O programa abriu espaço para discutir o preconceito racial e o ex-jogador relembrou um episódio em que acabou sendo discriminado pela cor da sua pele.

continua depois da publicidade

“Eu era muito jovem e entrei num mercado para comprar uma coisa que minha mãe mandou. Aí pra eu pagar, chamei a menina que ia cobrar de tia. Falei: ‘tia, cobra aqui’. Aí ela falou assim pra mim: ‘eu não tenho sobrinho preto’. Eu não esqueço disso até hoje”, declarou.

O apresentador Neto agradeceu Edílson por ter compartilhado o episódio e questionou se o comentarista contou a ação da vendedora para sua família. “Nem conversei [com a mãe]. Guardei pra mim. Já passaram anos e anos e eu nunca esqueci disso, sabia?”, explicou.

Os Donos da Bola se aprofundou nos casos de racismos que aconteceram no futebol e afirmaram da importância de mudar a mentalidade dos atletas para que esse tipo de crime não ocorra mais no esporte.

continua depois da publicidade

Neto fala de cuspida em árbitro

Em 1991, quando era jogador do Corinthians, Neto se irritou com o árbitro José Aparecido e acertou uma cusparada nele. O apresentador fez questão de ressaltar que se arrepende até hoje do episódio.

“Quando cuspi no rosto do [árbitro] Zé Aparecido, um negro, tomei só seis meses de suspensão. Ele se prejudicou mais que eu. Eu que fui covarde, eu que fui nojento. E meus filhos sabem disso e não deixo de falar disso em nenhuma entrevista, porque o que eu fiz foi nojento”, completou.

Confira o programa na íntegra abaixo:

continua depois da publicidade


TAGS

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!


FECHAR